Além das crenças e contos de fadas: entendendo a relação mente-corpo e desvendando o inconsciente

“Ponconvin quem cô sô e pôn cô vô”.

O Cupido e Psiquê. Contos da Mitologia já personificavam a Alma e o responsável pelo sentimento do amor como fatores relacionados.

O inconsciente

O lobo frontal deu ao cérebro capacidade de gerenciar informações cada vez mais complexas que a ciência ainda não consegue decifrar, mas acredita que tamanha complexidade emergiu a consciência. Foto: Pinterest (https://br.pinterest.com/pin/560416747354817404/)
O Self é o centro da sua consciência e rege sua vida acima dos outros seres que habitam em você. O equilíbrio psicológico, além de fatores biológicos, também é afetado pela dinâmica das relações dos diferentes tipos de relações com você mesmo. Foto: Pinterest(https://br.pinterest.com/pin/307159637069114737/)

Sonhos, o berço do inconsciente

Os sonhos parecem muitas vezes permitir que nossa mente viaje para fora do nosso corpo e vá viver situações nunca antes imaginadas ou manifestações de vontades escondidas. Foto: Pinterest(https://br.pinterest.com/pin/334040497343449219/)

Arquétipo, uma figura mental

Usado para designar as figuras simbólicas da cosmovisão primitiva, poderia também ser aplicado aos conteúdos inconscientes, uma vez que ambos têm praticamente o mesmo significado.
O Arquétipos e o Inconsciente Coletivo, Carl Gustav Jung, pág 16

https://www.amazon.com/137-Pauli-Pursuit-Scientific-Obsession/dp/0393338649

A teoria do inconsciente coletivo

O inconsciente coletivo. Foto: Pinterest(https://br.pinterest.com/pin/19421842119731586/)

Muito além dos contos de fadas

Hércules, filho de Zeus, foi um dos primeiros personagens com relatos de poderes sobre-humanos relatados em uma fábula.

Todos os acontecimentos “mitologizados” da natureza, tais como o verão e o inverno, as fases da lua, as estações chuvosas, etc, não são de modo algum alegorias destas, experiências objetivas, mas sim, expressões simbólicas do drama interno e inconsciente da alma, que a consciência humana consegue apreender através de projeção - isto é, espelhadas nos fenômenos da natureza. A projeção é tão radical que foram necessários vários milênios de civilização para desligá-la de algum modo de seu objeto exterior.
O Arquétipos e o Inconsciente Coletivo, Carl Gustav Jung, pág 17

--

--

Citizen Scientist and Software Engineer, looking for the limits beyond mind and machine exploring the world

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store